quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A primeira Escola de Samba


O início das escolas de samba está diretamente ligada á própria história do carnaval em sí, bem como a criação do samba moderno. Em agosto de 1928, na rua Estácio, no Rio de Janeiro, um grupo de sambistas ensaiavam ao lado de uma escola normal. Dali surgiu o "União faz a Força", que deu origem ao "Deixa Falar", que foi a primeira escola de samba do Brasil.

Criado por Ismael Silva, Bide, Silvio Fernandes, Oswaldo Vasques, Edgar, Julinho, entre outros, o "Deixa Falar" - que nunca chegou a desfilar como escola de samba realmente- foi de fundamental importância para o samba moderno. Entre as contribuições para o carnaval atual se destacam o cortejo capaz de desfilar sambando, o conjunto de percussão, sem a utilização de instrumentos de sopro e a ala das baianas.

Mas seus integrantes não apreciavam a forma do samba da época, ainda muito parecido com o maxixe. Criaram então um novo formato de samba, e um novo instrumento de percussão. De uma lata de manteiga de 20kg, Alcebíades Barcelos, conhecido como "Bide" inventou o "surdo". Ele abriu os dois lados da lata, esticou por cima um pedaço de papel de saco de cimento umidecido e ligeiramente quente, prendendo com arame grosso. Estava pronta uma inovadora ideia que se tornou o principal instrumento da percussão da bateria.

Foi Bide também quem fez a nova marcação do samba, feita pelo surdo e quem determinou como seria o samba da escola. Até então, o samba tinha um refrão e o resto era improvisado. O samba também passou a ter a segunda parte composta. Nos dias de hoje, todos os gêneros dele derivados, são o reflexo das modificações criadas por Bide em 1928. A estréia do "Deixa Falar" no carnaval ocorreu no ano seguinte a sua fundação.

Foram os sambistas da Estácio que criaram as bases das atuais escolas de samba. A Deixa Falar fez muito sucesso entre os moradores da região. Ela acabou por estimular a criação, nos anos seguintes, de outras agremiações de samba. Surgiram assim, posteriormente, as seguintes escolas de samba: Cada Ano Sai Melhor, Estação Primeira (Mangueira), Vai como Pode (Portela), Vizinha Faladeira e Para o Ano sai Melhor.

Carregue e ouça abaixo a entrevista concedida por Ismael Silva, nos anos 70, onde ele fala sobre a primeira escola de samba, sua parceria com Noel Rosa, e para finalizar, escute ao samba “Quem não quer sou eu”.



Powered by Podbean.com


Em 1929 ocorreu o primeiro concurso de sambas, realizado na casa de Zé Espinguela, onde o "Conjunto Oswaldo Cruz" saiu vencedor e do qual participaram também a "Mangueira" e a "Deixa Falar". Esse ano é considerado o marco da criação das escolas. No ano de 1932, o Jornal Mundo Sportivo, de propriedade do jornalista Mário Filho, (irmão de Nelson Rodrigues), resolveu realizar a organização de um desfile carnavalesco. O jornal que se encontrava sem assunto e perdendo leitores, teve a ideia de fazer na Praça Onze, - avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro, um desfile de escolas de samba.

Assim 19 escolas compareceram. O jornal estabeleceu critérios para o julgamento das escolas participantes. A tradicional "ala das baianas" era pré-requisito para concorrer, sendo que as escolas, todas com mais de cem componentes, deveriam apresentar sambas inéditos e não usar instrumentos de sopro, entre outras exigências.

Com o passar do tempo, as escolas incluíram o casal de mestre-sala e porta-bandeira, enredo, e a comissão de frente, elementos aos quais Ismael Silva, ao idealizar o Deixa Falar, era contrário.

Não demorou muito para que as escolas de samba também se expandissem para outros estados, com a fundação em 1935, da "Primeira de São Paulo". Os concursos oficiais na capital paulista só começaram em 1950, com a vitória da "Lavapés", porém antes disso já existiam outros pequenos torneios entre escolas.

Nestas primeiras décadas, as escolas de samba não possuíam toda estrutura e organização. Eram organizadas de forma simples, com poucos integrantes e pequenos carros alegóricos. A competição entre elas não era o mais importante, mas sim a alegria e a diversão.

No início dos anos 40, os desfiles cresceram em tamanho e importância, ultrapassando os antigos ranchos em poucos anos, e criando uma nova cultura do samba. Nos primeiros desfiles o povo se aglomerava nas calçadas para ver o espetáculo, e as autoridades e jurados assistiam ao desfile de pequenos palanques de madeira, especialmente instalados para eles.

Logo apareceram os espectadores que traziam caixotes nos quais subiam para obter uma visão melhor. Em pouco tempo a prefeitura passou a instalar tablados rudimentares de madeira, com degraus de onde se assistia ao desfile em pé. Estes também foram insuficientes para o público cada vez maior e, em pouco tempo a prefeitura passou a instalar arquibancadas. A partir daí então, a classe média se misturava aos pobres para ver as escolas e, em meados doas anos 40 a prefeitura passou a cobrar ingressos para o desfile e os mais pobres ficaram de fora, aglomerando-se nos locais de concentração e dispersão das escolas.

Com o passar do tempo, as agremiações se organizavam cada vez melhor, construindo barracões com chão de terra batida para seus ensaios. Cresciam também em número de integrantes, o que propiciou o nascimento das alas, que tinham estatuto, diretor e presidente próprios.

Em 1952, foi criado no Rio de Janeiro, o Grupo de Acesso, devido ao grande número de escolas previstos para o desfile. Nos dias de hoje as escolas de samba do Rio de Janeiro e São Paulo estão profissionalizadas e movimentam milhões de reais.

Eu sinceramente não assisto, não gosto muito, mais respeito e muito a história do samba que eu adoro. Gostaria de voltar no tempo por uma noite para presenciar o carnaval no começo dos anos 30, onde a diversão prevalecia sobre a competição, e o samba predominava.

Deixo abaixo um curto vídeo com uma entrevista de Ismael Silva concedida a Globo, no ano de 1977 – um ano antes de falecer – esse é um dos raros registros do grande sambista.



A partir de hoje, este blogueiro entra no ritmo do carnaval e das marchinhas de rua na região dos lagos no Rio de Janeiro. A farofa vai pegar uma poeira até o dia 28 de fevereiro.

Ótimo carnaval a todos! Muita folia e agitação, ou bom descanso... Follow Fabricio_blog on Twitter

2 comentários:

kecia disse...

O bom e velho samba!!

Bom carnaval!!

Beijos

Alicia Marques disse...

Nossa! Não conhecia toda essa história das origens! Bem legal!! E o samba no podcast e o vídeo são demais!! Parabéns pelo post!!

bjinhos